Entendendo o mercado financeiro: títulos verdes (green bonds)
novembro 19, 2021
Aspectos gerais sobre ALM (Asset/Liability Management)
dezembro 3, 2021
Show all

Entendendo o mercado financeiro: BDR (Brazilian Depositary Receipt)

Os BDRs, ou Brazilian Depositary Receipts, são certificados de depósito, emitidos no Brasil e negociados no pregão da B3, que representam ações de empresas e organizações listadas em bolsas estrangeiras.

Nesse sentido, é importante destacar que o investidor não se torna sócio da empresa por meio de um BDR, já que investe indiretamente por meio da aquisição de um recibo lastreado na ação da bolsa de valores de origem. Isso significa que tais recibos concedem alguns direitos semelhantes aos de um acionista. É o caso dos dividendos — mas o mesmo não ocorre com outros como o direito a voto, por exemplo. Há, ainda, a valorização desses papéis, uma vez que BDRs refletem a posse da ação.

As ações negociadas fora do país são, assim, adquiridas por uma instituição depositária. Em seguida, são custodiadas e vinculadas aos recibos que serão negociados no Brasil. Portanto, para que um BDR seja negociado na B3, a instituição depositária deve manter, sem movimentação, as ações da companhia no exterior na conta de uma instituição custodiante.

Características

Uma das principais vantagens dos BDRs é a facilidade proporcionada aos brasileiros que desejam investir em organizações cujos papéis são negociados em bolsas internacionais.  Afinal, uma vez que esses certificados de depósitos são negociados e emitidos no Brasil, não é necessário abrir conta em corretoras estrangeiras ou fazer declaração de imposto de renda no exterior.

Outra grande vantagem desse instrumento é a possibilidade de diversificar o portfólio de investimentos com ativos internacionais — estratégia cujo objetivo é mitigar o risco de concentrar operações no mercado brasileiro. Os BDRs, nesse sentido, permitem que o investidor tenha acesso a ações de setores que não possuem representantes na B3.

Contudo, deve-se observar que tais operações estão sujeitas a diversos fatores de mercado que influenciam o valor desses ativos. Outro aspecto é que as ações são cotadas em moeda estrangeira e, por essa razão, as oscilações do câmbio refletem diretamente no preço dos ativos em reais.

Tributação e taxas

As ações negociadas no Brasil são isentas de imposto sobre o lucro em operações mensais abaixo de R$ 20 mil — e não há tributação sobre os dividendos. Os BDRs, porém, não possuem isenção (mesmo para transações menores que R$ 20 mil), e os rendimentos são tributados de acordo com as leis de cada país. Há, ainda, uma taxa de manuseio sobre esses dividendos, que é paga à instituição depositária.

Tipos de BDR

Há dois tipos de BDRs, de acordo com a maneira pela qual são estruturados para negociação — a saber:

BDR Não Patrocinado, em que não há anuência (e, por consequência, participação) da empresa estrangeira — ou seja, a operação envolve apenas a instituição custodiante e a depositária. É importante destacar que, nessa modalidade, a instituição depositária é responsável pela divulgação, no Brasil, das informações corporativas e financeiras da emissora das ações.

BDR Patrocinado, no qual a organização seleciona a instituição depositária e, ainda, participa de todo o processo de emissão dos papéis. Pode ser classificado como Nível I, Nível II e Nível III.

Nível I não requer registro do emissor das ações na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e só pode ser negociado em mercados de balcão não organizado — ou em outros segmentos da bolsa criados especificamente para papéis desse tipo. Caso esses títulos sejam distribuídos como oferta pública, deve ser por meio esforços restritos, modalidade que, apesar de mais simples e menos burocrática, restringe a 50 o número de investidores que podem comprar tais papéis.

Aqui cabe, no entanto, uma consideração: de acordo com a Resolução CVM 3, desde setembro de 2020 qualquer investidor pode negociar BDRs Patrocinados Nível I — mediante o mercado em que os valores mobiliários que lastreiam a operação sejam listados. Até essa data, tais instrumentos eram restritos a investidores qualificados — ou seja, com, no mínimo, R$ 1 milhão em aplicações financeiras.

Níveis II e III – o emissor das ações deve ter registro na CVM e os títulos podem ser negociados no pregão da bolsa ou em balcão organizado — além de seguir as mesmas regras de transparência e governança das empresas nacionais registradas como Categoria A. A diferença, porém, é que os BDRs Patrocinados de Nível II só podem ser distribuídos por meio de ofertas públicas com esforços restritos; já no caso dos BDRs Patrocinados de Nível III as ofertas públicas podem ser amplas. Tanto o Nível II quanto o Nível III, aliás, podem ser negociados por qualquer investidor.

Conclusão

Os BDRs são, portanto, instrumentos que oferecem uma opção acessível, e sem nenhuma burocracia, a investidores brasileiros que desejam diversificar seu portfólio com ativos negociados no exterior. Existem, porém, alguns fatores importantes que devem ser observados, como perfil de risco e os objetivos, além da necessidade de analisar o desempenho de empresas e organizações estrangeiras (tanto para investir quanto para definir a hora de vender os títulos) — assim como o cenário econômico, político e cultural em seus países de origem.

CRK
CRK

Comments are closed.